Cruzeiro nas Caraíbas a partir de Havana

Cruzeiro nas Caraíbas a partir de Havana

O cruzeiro nas Caraíbas teve início em Havana, Cuba no MSC Opera a 17-03-2018 com passagem por Montego Bay (Jamaica), Ilhas Caimão e Cozumel no México e finalizando em Havana a 24-03-2018.

Dia 1

Viajei no regime tudo incluído e voos Air Europa com inicio em Lisboa até Havana via Madrid.

Pormenor excelente: Mala no porão em Lisboa e só a vi no meu camarote do navio.

Em viagens como esta é crítico e importante colocar a etiqueta de mala dada pela companhia de cruzeiros para que evitar que a mesma seja retirada do avião num aeroporto de conexão, neste caso, Madrid.

Fui dos últimos a entrar e quem viajou de Lisboa teve assistência à chegada na manga no Aeroporto de Madrid até chegar ao avião para Havana. Foi uma caminhada de 20 minutos dentro do aeroporto.

Cruzeiro nas Caraíbas
Vôo para Havana

A viagem Madrid Havana durou cerca de 10 horas. Não gostei muito da Air Europa, já que o sistema de entretenimento era muito fraco e tinha que se pagar para ter os auscultadores – 4 euros!

A comida não era nada má, mas pedi um chocolate quente e não tinham.

Prefiro de longe a Emirates. Mais vale pagar um pouco mais e ter melhor serviço e condições num voo de longo curso.

Na viagem que vou fazer em Outubro até ao extremo oriente escolhi a Turkish Airlines por mais 100 euros face à Lufthansa/Air China.

Mas vejam este vídeo da viagem até Havana onde iniciei este cruzeiro nas Caraíbas. Para os entusiastas de telemetria como altitude, velocidade e força G, é muito interessante.

Usei uma GoPro Hero 5 e uma ventosa, com o GPS activado para fazer o vídeo. Depois bastou accionar o software no GoPro Quik para aparecer a telemetria. Clique aqui para ver como se faz.

Cruzeiro nas Caraíbas
GoPro com ventosa

Cheguei às 20:40 hora de Havana, passei os serviços de emigração e um autocarro já me esperava juntamente com os outros passageiros do cruzeiro, a sua grande maioria espanhóis.

Cheguei ao terminal de cruzeiros, subi umas escadas e fiz o check-in. Passei a emigração onde entreguei o visto turístico fornecido no avião e por conta da MSC.

Fui até ao quarto e contava com uma cabine simples com vista para o mar (tive upgrade por ser cliente habitual MSC). Quando entrei tive uma surpresa: não era uma cabine qualquer, era uma cabine com uma sala de estar e uma porta de acesso à minha cama que tinha uma janela com vista para a frente do navio. Veja por si:

Adorei a cabine e é sem dúvida a melhor que já tive. E já tive upgrades com varanda.

Nesta cabine, também tenho uma varanda: o balcão frontal do navio

Cruzeiro nas Caraíbas
Balcão da frente do MSC Opera – Piso 9

Cabine com vista para o mar, duas janelas, sala de estar e acesso ao balcão frontal do navio. Melhor é impossível. Promete este cruzeiro nas Caraíbas

Merece ser contada a forma como se conseguiu este upgrade:

Na reserva pedi uma cabine no nono piso a meio do navio. Cumprindo a regra de cabines a evitar que expliquei em artigo anterior, quis ficar num piso que tivesse cabines no piso acima e no piso abaixo. Marquei o cruzeiro muito cedo, pelo que poderia escolher à vontade.

Quando a MSC ia proceder à emissão da documentação, enviaram um mail à minha agência de viagens informando que a cabine interior escolhida tinha porta de comunicação e que seria necessário para uma familia, tendo sugerido duas alternativas para locais que não aceitei: acima do piso dos lounges e bares e outra abaixo da piscina.

Sugeriram uma cabine com vista mar e com vista bloqueada mas a experiência seria a Bella. Não aceitei, pois faço questão de ter a experiência fantástica (um dos factores é o pequeno almoço no quarto de que não abdico e o outro é a localização dos camarotes)

Depois sugeriram uma cabine que ficava junto às escadas onde todos descem e sobem para os pisos. Nem pensar.

Graças à influência da agência de viagens que utilizo (Domenicos) e ao facto de ser um cliente leal MSC, arranjaram-me a cabine 9006.

Só tenho a agradecer à MSC e à Domenicos esta cabine que de facto é fantástica.

Deixei minha mochila de mão e fui ao Buffet para um jantar tardio

Posteriormente fiz o reconhecimento do navio

Voltei para o meu quarto onde tomei um banho, li o diário de bordo e fui confrontado com o facto de o navio ter que sair às 13 horas em vez de às 18 horas no segundo dia de cruzeiro. O motivo foi devido a congestionamento no porto de Havana na tarde de 19 de Março. Não gostei, porque tinha planos para ver a fábrica de charutos e a FusterLândia no segundo dia. Paciência. Aguardei que a minha mala chegasse. Chegou por volta da uma da manhã.

Desfiz a mala e organizei-me para o dia seguinte em Havana.

Dia 2 – Havana

Após ter acordado por volta das 08:30, estranhei não terem trazido o pequeno almoço.

Abri a porta do camarote e vi que o papel com o pedido não tinha sido levantado. Reclamei junto da recepção e em 10 minutos tinha o pequeno almoço no quarto.

Peguei no passaporte original (não serve a cópia) e com o cartão de embarque passei a emigração e a revista raio X da mochila e objectos pessoais, tendo descido as escadas para o exterior.

Apanhei à entrada do terminal de cruzeiros, o Havana Bus Tour que me levou durante quase hora e meia pelos principais pontos turísticos de Havana. Saí no Parque Central onde percorri a pé a zona do passeio do Prado, Havana central e Havana velha.

Fui almoçar ao barco e voltei a sair para percorrer o Malecón (passeio junto ao Mar).

Cruzeiro nas Caraíbas
Malecon

Percorri várias ruas de Havana e deixei-me perder dentro delas. Ouvi música ao vivo tipicamente cubana nos restaurantes e adorei o ambiente. Para mim Havana é isto:

Havana é muito anos 50. Gostei imenso, especialmente dos carros clássicos.

Andei em alguns locais que mais parecem favelas, mas senti-me sempre seguro e nunca fui incomodado. São um povo muito pacífico. Inclusivé, andei com o meu IPad Pro na mão sem problemas.

Cruzeiro nas Caraíbas
Havana

A abordagem dos cubanos era esta: “Táxi, senhor?”

Algumas igrejas estavam fechadas porque visitei Havana a um Domingo e já era de tarde. Uma das igrejas que queria visitar era a Igreja Nuestra Senhora de la Merced e também a Catedral de Havana. 

Voltei para o Navio por volta das 17:30, tomei um banho e descansei por duas horas. Vesti-me, jantei no Buffet e saí para ver Havana à noite.

Caminhei pela zona da Catedral, Calle de los Mercaderes, Plaza Vieja, Plaza del Cristo

Adorei o ambiente noturno com música ao vivo

Depois perdi-me

Cheguei a um ponto em que não sabia por onde andava e passava por zonas que mais pareciam autênticas favelas.

De repente, cheguei ao Parque Central. Nem sei como lá cheguei. A partir daí, desci até à margem junto ao mar, passei pela praça que tem o Museu da revolução e segui sempre junto ao Mar até chegar ao Navio.

Cheguei com dores nos pés, pois tinha sapatos. Caminhei bem mais do que o previsto.

Ainda subi ao topo do navio para ver a musica ao vivo, mas não estava a gostar muito. A música era pouco ritmada.

Retirei-me para o quarto e adormeci rapidamente.

No dia seguinte e como todos tinham que estar a bordo às 12 horas, decidi ficar no navio. 

Iniciámos este cruzeiro nas Caraíbas às 13 horas depois de feito o exercício de emergência

No exercício de emergência reencontrei um casal que tinha conhecido no cruzeiro do MSC Splendida desde Génova a Hamburgo em Abril de 2015.

Foi uma alegria enorme porque foi um de três casais que mais gostei de conhecer nos cruzeiros que já fiz.

À tarde foi de navegação, lazer e descanso com o casal amigo e o dia seguinte também.

Dia 4 – Montego Bay – Jamaica

A primeira paragem deste cruzeiro nas Caraíbas após Cuba foi em Montego Bay na Jamaica onde já tinha reservado uma excursão da ShoreExcursioneer – River Tubing, ou seja , descida de rio numa bóia. Acompanharam-me quatro mulheres vindas de um navio da Carnival (Carnival Dream).

Quedas de Água na Jamaica

Veja o filme

Quando terminou a descida, uma lancha com 4 botes de borracha nos apanhou assim como outros passageiros que desceram o rio em botes de borracha (rafting).

Fomos todos até uma praia onde havia comes e bebes, tendo provado água de coco. Abriram um coco e com uma palhinha bebi o mesmo. Soube bastante bem.

A água da praia estava quente e de cor turquesa.

Deixei minha T-shirt secando na carrinha 🙂

Cruzeiro nas Caraíbas
Jamaica

Antes de chegar ao barco, ainda passámos por uma loja turística (armadilha). Vi os preços e saí logo dali. 20 dólares americanos por 4 magnéticos e 25 dólares por um par de chinelos havainos é assalto à mão armada.

Na praia queriam 5 dólares por um magnético. Dei 6 por dois. Só queria ter dado 5 e estava a ser simpático….

Regressei ao navio para me encontrar novamente com o casal amigo que está a fazer-me companhia neste cruzeiro.

Dia 5 – Ilhas Caimão

O cruzeiro nas Caraíbas teve a sua segunda paragem em Georgetown, nas Ilhas Caimão.

Juntamente com o casal amigo, apanhei um táxi para a praia pública da Seven Mile Beach. Os táxis em Georgetown só arrancam para as 5 paragens disponíveis na Seven Mile Beach, quando o mesmo fica cheio. A capacidade de cada táxi é de 7 a 9 passageiros. Paguei 5 dólares para ir até à praia pública (acesso não pago).

Chegámos à praia, enfiei o equipamento de snorkel e quase não saí da água

Cruzeiro nas Caraíbas
Seven Mile Beach – Georgetown – Ilhas Caimão

Após duas horas a banhos, regressei ao navio que saía às 15 horas em direcção a Cozumel no México

No regresso paguei 4 dólares após negociação em conjunto com o casal meu amigo. O taxista ainda explicou os locais por onde estávamos a passar até chegar ao terminal de cruzeiros

Dia 6 – Cozumel – México

A terceira paragem deste cruzeiro nas Caraíbas foi em Cozumel

Quatro navios nesse dia atracaram nos três terminais – Carnival Dream, Oasis of the Seas e o Norwegian Getaway. Adorei rever o navio onde fiz o cruzeiro no Báltico

Tinha excursão marcada. Scuba Diving (mergulho com garrafa de oxigénio). Apanhei um taxi para o local indicado no voucher. Paguei 8 dólares pelo taxi. A organização dos taxis no terminal de Punta Langosta é caótica. Vi-me e desejei para encontrar um taxista que me levasse. Eu estava sozinho. Lá encontrei um taxista que me deixou no local onde ia praticar scuba diving pela primeira vez.

Ao chegar, constatei que era o único e tive uma aula em sala durante uma hora para aprender as bases do mergulho. O instrutor Pedro Quijano da empresa Sand Dollar Sports mostrou ser atencioso e profissional, o que permitiu uma experiência fantástica debaixo de água.

Com o equipamento de mergulho
Com Pedro Quijano, o instrutor

Segue o video

Onde fiz o mergulho, tive um vislumbre do Oasis of the Seas:

Cruzeiro nas Caraíbas
Oasis of the Seas com Carnival Dream por trás

No final do mergulho, o Pedro Quijano e eu fomos para a beira da estrada e fizemos sinais para os táxis pararem. Só à terceira foi de vez. Meti conversa com a taxista dizendo que hoje era um dia bom para o negócio, já que tinham 4 navios atracados entre eles o Oasis of the Seas e o Norwegian Getaway, dois grandes navios comparados com o Carnival Dream e o MSC Opera.

O meu espanto foi quando ela me disse que estava fraquinho. O ideal seria ter oito navios no Porto. Estremeci com a ideia …..por isso é que há quase 850 táxis em Cozumel.

Regressei ao terminal onde comprei recordações e embarquei no MSC Opera que me levou de volta a Havana.

Dia 7 – Havana Cuba

Último dia deste cruzeiro nas Caraíbas.

Abandonei a cabine às 13 horas, o navio chegou a Havana a essa hora, tendo filmado a entrada em Havana como tinha filmado a saída.

De tarde, dei mais uma volta por Havana e num carro clássico descapotável. Veja o vídeo que vai gostar.

No final da tarde, fim deste cruzeiro nas Caraíbas e transfer para o aeroporto para uma viagem longa de volta a casa.

Em Outubro, Extremo Oriente no Ovation of the Seas 13 noites. Continue a acompanhar o blog

Boas Viagens flutuantes 🙂

Acompanhe o blog no Facebook e Instagram.

Pedro Monteiro

Siga-me nas redes sociais
error

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.