Cruzeiro no Sudeste Asiático – Parte 5 – Hong Kong

Hong Kong

Hong Kong

Dia de navegação

Antes de chegar a Hong Kong e depois de ter ido a Taipei, tive um dia de navegação.

De manhã escrevi artigos no blog e preparei e realizei a entrevista ao Capitão e ao director de Hotel. Pode lê-la aqui

Durante a tarde, decidi ir ao centro médico, visto que as minhas costas não estavam a recuperar como o desejado.

Foi a primeira vez que visitei um centro médico. Situado no convés 2 é grande e inclui uma unidade de cuidados intensivos de sobrevivência. Claro que o nível de equipamento não é o de um hospital. Se houver risco de vida, a pessoa é evacuada.

A médica disse-me que deveria continuar a tomar o Voltaren. Eu tinha interrompido a medicação no dia anterior pois sentia melhoras, mas  no dia de navegação, a mesma tinha piorado.

Das duas uma: ou era uma contusão muscular ou uma costela partida. Poderia fazer um raio-X, mas este iria demorar pois o mesmo era feito na unidade de cuidados intensivos e estava lá uma passageira. Tinha outra pessoa à frente, pelo que se decidiu que só faria o raio-x se a dor não passasse. Quer fosse uma contusão muscular ou uma costela partida, o tratamento seria o mesmo. No momento em que escrevo estas linhas, estou bem melhor.

Dois pormenores importantes:

1 – A Royal Caribbean não me cobrou a consulta ou os medicamentos, visto que o acidente foi no decorrer de uma actividade do navio.

2 – Os medicamentos que me foram dados, foram-no na quantidade apropriada para o tratamento. Não é como no nosso País onde temos que comprar a caixa toda só para tomar três ou quatro comprimidos muitas das vezes.

Hong Kong
Voltaren à americana

No dia seguinte, Hong Kong

Hong Kong

Comecei o dia às 06:00 com pequeno almoço no quarto.

Subi ao convés 15 para tirar fotos da cidade

Hong Kong
Jardim no topo do terminal de Kai Tak

 

Hong Kong
Vista de Hong Kong do navio

 

Hong Kong
Hong Kong visto do navio

Às 07:15 saí do navio, tendo sido uns dos primeiros a fazê-lo. Sabia que o dia ia ser intensivo. Isto de fazer cruzeiros pode ser duro …

Procurei uma casa de câmbios, mas a mesma estava fechada pelo que segui no shuttle gratuito oferecido por um centro comercial do Hong Kong situado perto do terminal de Kai Tak.

Cheguei ao centro comercial mas os bancos e uma casa de cãmbios situada no exterior, estavam fechados. Dei uma volta nas redondezas para me tentar situar. O certo é que tive que pedir ajuda pois não sabia bem onde estava já que Hong Kong tem a ilha com o mesmo nome, a penínsual de Kowloon, Lantau e os Novos Territórios.

Pensei que o navio atracaria no terminal de Ocean Kai, mesmo no centro da cidade junto aos cais do star Ferry.

Três rapazes locais me disseram que eu estava em Kowloon.

O mapa que eu tinha na mão era confuso e nem consegui localizar onde estava e queria trocar dinheiro em vez de levantar no ATM.

Tive que levantar dólares de HK no ATM, pois o tempo estava a passar e já havia pessoas à espera para ir aos bancos. Mesmo ao Sábado.

Depois de ter dinheiro local, entrei na estação de metro de Kwun Tong e fui até à estação Central. Um percurso de cerca de 20 minutos no MTR.

MTR – metro de Hong Kong

O MTR (Mass Transit Railway) é muito bom. Está no topo no que respeita a circulação no metro.

A passagem de uma linha para outra é feita na mesma plataforma. Sai de um comboio e atravessa a plataforma para o comboio que o leva ao destino final.

Na carruagem tem um mapa do metro e com luzes acesas a indicar as estações onde vai parar. Nas estações com mudança de linha, o mapa ilumina as estações onde o comboio vai parar, pelo que deve prestar muita atenção ao mapa, se viajar com mudanças de linha. Muito simples, rápido e eficaz. Muito bom, mesmo. A compra de bilhetes é fácil: na máquina de venda, assinala no mapa a estação onde quer sair e a máquina indica o preço. Mete as moedas ou notas, sai o bilhete e o troco (se aplicável)

Recomendo que use este método de transporte para se deslocar em Hong Kong.

Hong Kong
Mapa do metro de Hong Kong
Big Bus Tour – rotas vermelha, verde e azul

Cheguei à estação Central (ver mapa) e fui para o Cais 7 (Star Ferry) para apanhar o autocarro Big Bus Tour. Adquiri o bilhete com cartão VISA Electron (avise o banco por onde vai andar antes de vir para estes lados!)

Percorri a rota vermelha até chegar ao terminal do “Peak tram” para subir ao topo de forma a ter uma vista aérea de Hong Kong.

Valeu a pena como podem ver pelas fotos:

Hong Kong
Vista aérea de Hong Kong
Hong Kong
Ovation of the Seas no Terminal de Kai Tak

De seguida entrei na rota verde até Aberdeen passando por Stanley e Repulse Bay, as zonas que mais gostei, pois passeei junto a duas baías: South Bay e Repulse Bay. São zonas residenciais junto ao mar do Sul da China. O metro quadrado em euros podem chegar aos 2.200.

Reparei num pormenor nos edifícios. Altos e estreitos. Não sendo engenheiro, acho tal uma proeza de engenharia

Hong Kong
Prédio residencial em Hong Kong

Eis umas fotos do percurso até Aberdeen passando pelas baías que dão acesso ao Mar do Sul da China

Hong Kong
Baías em Hong Kong

Sampan

Ao chegar a Aberdeen, experimentei um Sampan (barco típico chinês).

Hong Kong
Passeio no Sampan

Regressei ao ponto de partida – o cais 7 onde entrei para o Star Ferry

Mas antes vejam esta foto:

Hong Kong
Viaduto no meio de prédios residenciais

Fiquei com a sensação de que estava a voar no meio dos prédios. Foi uma boa experiência.

Star Ferry

Segue fotos tiradas do Star Ferry – Kowloon e ilha de Hong Kong

Hong Kong
Kowloon
Hong Kong
Ilha de Hong Kong
Hong Kong
Ilha de Hong Kong
Hong Kong
Ilha de Hong Kong
Hong Kong
Ilha de Hong Kong
Hong Kong
No Star Ferry

Percorri um pouco a pé a zona de Tsim Sha Tsui, a zona mais “in” de Hong Kong.

Entrei na rota azul do Big Bus Tour, tendo percorrido algumas zonas de Kowloon.

 

Hong Kong
Tsim Sha Tsui
Hong Kong
Tsim Sha Tsui
Hong Kong
Em Kowloon – um contraste

Apanhei o metro para Kwun Tong e regressei ao navio por volta das 17:30 através do shuttle gratuito que tinha usado de manhã cedo.

Como só tinha comido uma maçã e bebido apenas água durante o dia, dirigi-me ao buffet para forrar o estômago.

Hong Kong à noite

Antes do jantar, subi ao convés de cima para tirar fotos nocturnas de Hong Kong e assistir ao festival de luzes que ocorre diariamente às 20:00. Mas face à distância do navio, o festival foi uma desilusão.

Hong Kong
Vista nocturna de Hong Kong
Hong Kong
Jardim no topo do Terminal de Kai Tak

Hong Kong
Vista nocturna
Hong Kong
Vista nocturna de Hong Kong

Silent Disco

Após o jantar e para finalizar o dia, experimentei algo único:

Uma discoteca silenciosa -“Silent Disco”

Foram fornecidos auscultadores com duas opções de músicas. A coloração dos auscultadores é verde e azul consoante a música escolhida. Existe um interruptor no auscultador esquerdo para mudar a música ou manter em silêncio.

Hong Kong
Silent Disco no Ovation of the Seas

O efeito é engraçado. Veja o vídeo. As pessoas dançam mas há silêncio na “discoteca”.

E assim terminou este dia muito comprido. Pelo vídeo pode ver que não esteve tanta gente como esperado, pois muitos foram para os camarotes após o jantar depois deste dia exigente.

No dia seguinte, dia de navegação e depois, três dias no Vietnam.

Acompanhe o blog no Facebook e Instagram.

Pedro Monteiro

Siga-me nas redes sociais
error

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.